29 de agosto de 2010

Minha primeira revista

Em meio a todo esse papo sobre revistas, acabei me lembrando daquela que foi a minha primeira revista. Digo, a primeira da qual fui leitor assíduo. Chamava-se Veja Kid +, e de lá pra cá já passaram mais de dez anos - embora eu não me recorde exatamente que idade eu tinha na época. Mas lembro do meu pai ligando para a Editora Abril e fazendo a assinatura para mim. E lembro da minha euforia a cada começo de mês quando chegava a revista empacotada.

Considerando que faz bastante tempo e eu era só um piá, eu não saberia traçar agora o perfil da publicação. O conteúdo equilibrava-se entre o infantilóide e o adolescente, com páginas e páginas dedicadas a astros de TV do momento - tipo a Tiazinha, que foi capa quando do auge de sua carreira (pff). Era bem colorida e tinha como mascote um bichinho verde que aparecia em pontos-chave de cada edição.

O mesmo bichinho apareceu na carta que a Abril mandou, mais ou menos um ano após eu ter assinado, avisando que a Kid + não seria mais editada. Que tristeza! Eu fiz a troca pela Superinteressante, mas não era a mesma coisa. Não era tão legal.

Isso é uma característica forte das revistas de maneira geral, eu penso. Talvez por oferecerem uma leitura mais prazerosa do que os demais veículos, elas tornam-se referências importantes e geram expectativas em nós. É como receber aquelas visitas periódicas de parentes queridos que moram longe. Nos mordemos esperando pela chegada e sentimos aquela dorzinha quando tudo acaba. Mas enquanto acontece, é uma alegria só. E a certeza de que logo se repetirá é confortante.

Durante o tempo em que assinamos a Veja aqui em casa (a Veja mesmo, oficial), lembro-me de ouvir dos meus pais coisas do tipo "Vamos esperar pra ver o que a Veja vai dizer", relativo a algum assunto público qualquer. É a referência que eu digo. E a agradável sensação de companhia. Coisa que nem o maior dos avanços tecnológicos é capaz de superar, acredito eu.

6 comentários:

Vanessa Kannenberg disse...

Sabe como eu sei que o Faustão e o David Beckham fazem aniversário no dia 2 de maio, junto comigo? Porque a Veja Kid trazia todo mês um calendário com os aniversariantes famosos de cada data. Nunca mais esqueci.

Ótima lembrança, Piccoli. Essa revista realmente marcou a minha infância (até porque meus pais nunca me deixaram assinar a Capricho, que era o meu sonho).

Henrique disse...

O que é isso? É a história da MINHA vida? Eu AMAVA essa revista! Também lembro da triste cartinha que recebi avisando do cancelamento da Veja Kid+. Teve a tal da Recreio depois, mas a minha época desse tipo de revista já tava passando. A diferença entre nós é que eu continuo assinando a Super até hoje (e a Veja velha também). Lembro que eu olhava a seção de cartas, acho que na última página, e pensava que um dia eu teria 15, 20 anos como aquelas pessoas que escreviam as cartas. Também tenho uns CDs do Pokémon que a revista deu de "graça" uma época... eu tenho algumas revistas guardadas aqui, haha. Bons tempos. Valeu a lembrança.

Rafael Fialho disse...

Boa demais! Não esqueço aquela seção em que havia testes sobre produtos, como balas... pra ver qual era melhor!

Anônimo disse...

MEU DEUS você fez eu lembrar da tal cartinha! Eu amava essa revista. Tinha um pouco de vergonha porque eu "já" tinha 13 anos (e era 1 ano mais novo que meus colegas ainda por cima)... Meu pai insistia em chamar de "Veja Kid PLUS", hahah.

Anavir&Nique disse...

Os melhores meses da minha vida resumidos em um texto!

Anavir&Nique disse...

Os melhores meses da minha vida resumidos em um texto!