30 de maio de 2009

:)

Eu danadinha??? Mas o que é issoMari??? Naim naim naim..... só por causa do e-mail do "Raj"???? A Aline e a Ana tbm gostaram, hihihihihihi.

Colegas, ñ esqueçam de levar um "agradinho" p/ Demétrio: maçã, balas Flopi ou barra de cereal, mas light.... huahuahuahua. Brincadeirinha :)

Bom findi para todos!!

Abraços!!

27 de maio de 2009

Anjos e Demônios

Eu já tinha lido o livro do Dan Brown e comentado com várias pessoas que este superava o Código da Vinci, não menos importante e o qual também recomendo sem dúvidas a quem procura uma boa leitura. Mas Anjos e Demônios tem mais ação, provoca mais ansiedade de se chegar ao final, e o filme não ficou pra trás.O filme baseado no livro Código da Vinci, decepcionou alguns espectadores e também a mim, por esperar uma mega produção e se deparar com um filme que não conseguia transmitir o prazer alcançado na leitura do livro. Porém, Anjos e Demônios, a meu ver, superou espectativas! Conseguiram passar para a tela do cinema tudo que se imaginava enquanto se lia o livro. Dessa vez deu certo, e arrisco, até além das espectativas de muitos. Saí do cinema pensando: Nossa, PERFEITO! Filme magnífico, opinião vinda de quem geralmente não tem paciência de ver um filme até o final, a não ser que ele seja realmente bom. Nem vi o tempo passar, fiquei realmente presa ao que era exibido na tela. Fica ai a dica.

26 de maio de 2009

A batalha está quase vencida...e precisa ser comemorada!

O quêeee??? a Letícia danadinha? capaz.... só baixou o Willmutt (com 2 "d" xunto no final) pq ficou emocionada com o repertório trazido à tona pela Aline, que se emocionou ao ver as fotos do .... (bah, eu disse que não assistia novela... Arebaba!!!) hehehehehe... mas depois que vi as fotos até entendi o pq da animação de ambas... ahahaha....

mas não deixando as brincadeiras à parte.... o Demétrio nos lançou uma óteeemaaa idéia.... não poderemos deixar de "bebemorar" nosso esforço pra que a revista saísse... e como ela está quase aí, já podemos ir programando alguma coisa..... por livre e espontânea pressão (e diga-se de passagem culpa da Aline que desenterrou fatos do início do curso.... digo desenterrou pq já me considero patrimônio..hehe) coloquei minha casa à disposição para este "encontro"... mas o melhor vem agora: o nosso querido professor disse que UMA CAIXA É POR CONTA DELE!!!! Então pessoal, não vamos perder essa oportunidade de darmos mais algumas boas risadas e vamos organizar esse churras!!!

Que satisfação...

É gratificante chegar na aula e viver momentos descontraídos e aliviados. Concordo contigo Wesley, se tem algo que vou levar para a vida são "as chamadas rispidas do editor chefe", essas sim valeram para sempre. Valeu professor, valeu colegas...vocês fizeram com que eu me sentisse mais jovem, alhias uma verdadeira adolescente...no meio dessa turma. Meus filhos que estranham quando chego em casa e digo: "e aí galera, tudo bem por aqui?". Eles me olham e perguntam? Pirô, mãe? Não, isso é reflexo das aulas de jornalismo de revista, onde trabalhamos muito, mas o bom humor está presente.
É maravilhoso ter colegas e um professor parceiro. Um professor que sabe quando é hora de "puxar' a turma, mas acima de tudo é humano e nos entende.
Letícia, você estava danadinha ontem, heim...gostei do Willmuth...
Um abraço forte a todos.

Vai bombaaar

O clima de descontração predomina... Brincadeiras, sorrisos e muita sacanagem (no bom sentido, claro) dão o tom.
Mas isso se explica, afinal a exceção está por um triz! Em poucos dias estará bombando nas salas e corredores de toda a Unisc. E isso quer dizer que o nosso suor, nossas discussões, diferenças e as ríspidas 'mijadas' do editor chefe foram válidas.
E, dentro de poucos dias, poderemos nos orgulhar, estufar o peito e dizer: aí está, esse é o resultado do trabalho de um semestre forte, onde muitos de nós sentimos pela primeira vez a pressão, a ansiedade, o sentimento de que não vai dar tempo e, por fim, a satisfação da revista impressa.
Vai dar certo, e será um grande trabalho, o trabalho de uma equipe que, com certeza, não será mais a mesma após a conclusão da disciplina de 'Jornalismo de Revista'.

25 de maio de 2009

Intervalos válidos

Dentre muitas decisões tomadas hoje
em relação a nossa revista
Ver nosso projeto tornando-se sólido
é muito gratificante...
No entanto "brincar", mesmo que você seja gente "grande"
Se faz preciso

Foi isso que fizemos
Recordamos momentos, cantamos músicas um tanto, como diria, inusitadas
Sem contar que além de cantar dançávamos as canções...

Foi bom
é sempre gostoso relembrar

e será muito gostoso ver nossa revista pronta também

De td um pouco

Quem faltou perdeu: Aline, Ana Paula e eu relembrando músicas: "olha o piu piu ô... ohhhh milaaaaaaaa, mil e uma noites com você.... eu imitando o Wilmutt: Néni, pega as polachas pra oferece pra vicita, as pintadas tos 2 latos pq os tende tbm costam de toce... e assim vai... mas o Wesley deu bastante risada, deve ter gostado. Já a Larissa, nem um sorriso. Vá saber....

Saideira e Encontros com o professor juntos

Na próxima semana, os projetos Saideira (do Curso de Comunicação Social da Unisc) e Encontros com o Professor (do jornalista Ruy Carlos Ostermann) se unem mais uma vez para oportunizar o debate cultural e um excelente exemplo de como se faz jornalismo. No dia 2, às 19h30min, no Espaço Camarim, Ostermann entrevista o também jornalista David Coimbra. O evento faz parte da 22º Feira do Livro de Santa Cruz do Sul. Após a entrevista, que permite interação com o público, acontece uma sessão de autógrafos na Livraria e Cafeteria Iluminura. Ambas as atividades são abertas e gratuitas.

Esse é o segundo ano que o Encontros com o Professor e o Saideira são realizados em conjunto, em Santa Cruz do Sul. Em 2008, o projeto coordenado pela empresa Signi e viabilizado por meio da Lei de Federal de Incentivo à Cultura, com patrocínio da Fiat e do Banrisul, trouxe como entrevistado o cineasta Beto Souza. O Encontros tem Ostermann como a estrela que comanda um talk show quinzenal em Porto Alegre e com edições itinerantes pelo interior do Estado. O projeto é desenvolvido há cinco anos e busca dinamizar as discussões culturais no Rio Grande do Sul, oportunizando entrevistas com nomes que fazem parte desse cenário cultural. O Saideira, por sua vez, existe há três anos e é focado em debates sobre Comunicação. As propostas se assemelham porque, embora tragam discussões que são também acadêmicas, acontecem em locais descontraídos, permitem a presença da comunidade em geral e, especialmente, a interação do público com os convidados.

No Encontros/Saideira da próxima semana, Ostermann – o Professor, jornalista há 52 anos, filósofo, foi deputado e secretário estadual de Educação, com vários livros publicados - deverá entrevistar outro “entrevistador”. David Coimbra, 47 anos, é jornalista há 25 anos. Trabalhou em mais de 10 redações de jornal, rádio e Tv e atualmente é editor executivo de Esportes do jornal Zero Hora. Ainda colunista do jornal, comentarista da TVCOM, integrante do Programa Pretinho Básico, da rádio Atlântida, e do Café TVCOM . Escreveu 13 livros e recebeu 10 prêmios da Associação Riograndense de Imprensa, um Prêmio Esso Regional Sul, um Prêmio Açorianos de Literatura, entre outros.

Na sessão de autógrafos, os jornalistas/autores estarão à disposição do público para autografarem suas obras recentes. A promoção é conjunta do curso de Comunicação Social/Unisc, Sesc, Livraria e Cafeteria Iluminura e projeto Encontros com o Professor. O acesso às duas atividades será determinado pela ordem de chegada. Mais informações, pelos sites http://hipermidia.unisc.br/feiradolivro e www.encontroscomoprofessor.com.br .

Contato para entrevistas: 9806-4427 (Carla) ou 9231-1985 (Flávia).

Pensamento

"Seu lugar não é na platéia, mas no palco brilhando na sua inteligência, alegrando-se com suas vitórias, aprendendo com suas derrotas, e treinando a cada dia para ser... O autor da sua história, o líder de si mesmo". (Augusto Cury)
Esse pensamento dedico a vocês meus queridos colegas...
Uma boa semana.

Carta de um beija-flor

Do alto desta varanda vejo um mar de pedras. Entre as construções cuidadosamente traçadas pela mão humana, busco uma para me refugiar desta prisão. Será que um beija-flor ainda pode encontrar, em inteligente e dócil atitude, simples abrigo? Que pergunta idiota se bem sei que com o progresso veio também a crueldade. Tenho saudades do tempo em que meu alimento não era somente o néctar das flores, mas o carinho desinteressado de um humano que não pensou somente na minha beleza. Sou um pássaro experiente e, mesmo assim, não consigo lembrar de um homem com o olhar tão sonhador e fisionomia tão dócil quanto Augusto Ruschi. Sim, o conheci e fomos amigos. Para as pessoas de mente pequena essa comunicação entre os mundos é impossível, mas para aqueles que olham para uma flor, um peixe, um pássaro ou até mesmo para si mesmos e, despidos de dogmas, acreditam na igualdade perante Deus, tudo é passivo de realização. Basta sentir, ouvir, cheirar, apreciar e principalmente se deixar levar pela emoção da descoberta.
Na Estação Biológica de Santa Lúcia, local onde Augusto está enterrado, construi muitos de meus ninhos. Acreditei que quem nascesse naquele lugar seria protegido por sua alma, e, como um presente, durante 21 anos, muitos filhos meus sairam de lá para encantar o resto do mundo.
Voando sem paragens eu não tinha conhecimento sobre a vida do nobre Augusto, mas num dia nublado, por acaso, vi um jovem lendo um dos 450 trabalhos científicos desenvolvidos por meu defensor mais feroz. Li e confesso que chorei quando percebi que um deles tinha o título: “Beija-Flores do Espírito Santo”. Essa passagem não consigo esquecer e de maneira tímida, depois deste fato, sempre entrava furtivamente na biblioteca antiga em busca de mais conhecimento sobre ele. Era a minha maneira de aproximação saudosa.
Lembro-me bem quando aquele homem me pegou em suas mãos e com os olhos arregalados me falou para não ter medo. A princípio pensei na morte. Quem iria chorar por um beija-flor? Mas foi diferente. Logo depois ele me soltou, entretanto, mesmo voando longe tive vontade de voltar. Nem com minha mãe tive esse contato de modo tão singelo e amoroso. Por isso, voltava todos os dias e percebia que Augusto não fez isso somente comigo, mas com boa parte das espécies animais e vegetais. Eu, como bom animal irracional, não acreditava que os superiores racionais seres humanos dessem valor. Um engano bom de se ter, pois ele realmente se importava.
Ruschi nos compreendia mas os outros não o entendiam, tanto que, certa feita, isso no ano de 1977, escutei de um outro pássaro a notícia que ele tinha desafiado o governador do estado do Espírito Santo em nosso nome. A floresta toda comentou e se exaltou com este ato. Recordo que até uma orquídea mudou de cor simbolizando a alegria orgulhosa do momento.
Porém para divulgar seu árduo trabalho de preservação da natureza ele precisava de amigos, pois conforme o dito popular: “Uma andorinha só não faz verão”, foi então que jornalistas como Chatô entraram em cena e fizeram com que as idéias e teorias de Augusto fossem conhecidas em todo o mundo. Não somente conhecidas, pois os estudos foram também respeitados. Com isso os ventos sopraram e hoje posso afirmar com a convicção da liberdade da qual já desfrutei, que ele estava certo.
Há alguns dias, um senhor foleava seu jornal atentamente no banco da praça. O calor que fazia em pleno outono prenunciava que algo estava errado. Curioso, bati as asas o mais rápido que podia sem ser evasivo, cheguei perto da primeira página e vi a manchete que afirmava a caótica situação do planeta. Fiquei triste, pois notei que mesmo tendo sido considerado um dos 1000 grandes homens que construíram o saber e as idéias do século XX e, sem dúvida o principal personagem da defesa ecológica nacional, Augusto Ruschi teve poucos seguidores.
Falo agora de minha condição atual: Estou preso em uma gaiola, fechado para a vida e também para o mundo. Fui posto aqui por um homem do qual nem sei o nome. Ou sei, mas não quero lembrar. Perdi meu defensor e para escrever esta carta tive que me tornar um quase humano. Fiz das minhas asas mãos para poder escrever. Não quero ser homem, espero apenas o respeito, todos precisam saber que não sou somente um pássaro, mas sim um mensageiro da natureza que ousa vivenciar tempos de liberdade e consciência. Sim, é possível sobreviver sem agredir. Se todos tivessem ouvido o que Augusto Ruschi disse, certamente eu poderia estar vivendo minha vida como ser irracional.
As injustiças me deixam triste mas não podem apagar as lembranças. Irmão Augusto onde você está? me ajude por favor!

Triste segunda-feira

Sim, eu estou triste. Seria bem mais cômodo fingir que estou feliz, mas a realidade me puxa para um mundo em que a imaginação não tem mais espaço definido. O blog da Exceção, pelo menos hoje, me servirá como um meio de desabafo. Questões de "coração", como poderiam dizer os psicólogos. Por outro lado, e não poderia ser diferente, me sinto feliz em ver a revista em sua reta final. Trabalhei (trabalhamos) muito para que ela fosse publicada. Com a Exceção aprendi muito, principalmente a superar obstáculos. Barreiras que antes me pareciam altas demais se tornaram pequenos muros. Neste espírito, vou lutar para abandonar o meu próprio "mito da caverna". E até lá vou simplesmente deixar de pensar em qualquer tipo de problema. Queria apenas voltar a ser criança. Brincar nas intermináveis tardes de domingo, explorar as florestas nos arredores da minha casa... sonhar que um dia seria uma boa profissional...sonhar em encontrar um amor de verdade. Enfim, ver a felicidade nos pequenos/grandes detalhes que a vida nos proporciona. Era isso, desculpem o tom quase "anestésico"...
Boa semana a todos,
fiquem com Deus

22 de maio de 2009

O pior passou...

É pessoal.. Agora o pior já passou. Com isso, é claro que não estou querendo dizer que produzir a revista é ruim. Muito pelo contrário: é uma excelente experiência! Mas falo que o pior já passou no sentido de que a maior parte do trabalho está feita.
As matérias já estão na diagramação (e boa parte já está diagramada), a grande maioria dos textos já foram revisados pela turma... Enfim, agora resta fazer os últimos retoques.
No início, admito que estava com medo de não conseguirmos fazer uma Exceção tão boa quanto a última. Mas agora, na reta final, vejo que está ficando ótima.
Por enquanto, resta dizer parabéns a todos nós pelo bom trabalho. E não se esqueçam: segunda veremos as páginas diagramadas. Então, não faltem!!

Abração a todos!

21 de maio de 2009

Imagens valiosas

Olá colegas.
Que bacana as fotos da aula de segunda. Momentos como esses não tem preço. São aulas únicas e que valem ouro. Pena que não pude estar com vocês.
Valeu Letícia pelo registro. Muito boommmmmmmmm!
Um abraço.

19 de maio de 2009

Prefeito bergamoteiro

Quem pensa que Arroio do Meio só tem bocha se engana. Minha cidade também tem o prefeito mais desinibido - pelo menos que eu conheço.

Eu precisava falar com o cara - Sidnei Eckert o nome dele - pra terminar duas matérias aqui. E nada de conseguir contato por telefone.

Agora a pouco estava debulhando uma bergamota, daquelas fedidas de casca grossa, na cozinha do jornal, quando ele apareceu na porta do recinto.

O cara é todo austero. Fala com voz entonada, sempre sério. Pensei no constrangimento da situação, lavei bem minhas mãos, catei o bloquinho e o convidei para conversarmos na sala de reuniões.

Mas o Sidnei preferiu ficar na cozinha. Puxou o lixinho, e comeu pelo menos umas cinco bergamotas, sem se preocupar com a catinga que se entranhou no seu blazer bem alinhado. Ficou quase uma hora lá.

Imagine se fosse época de campanha.

18 de maio de 2009

Apenas palavras vagas

Sem precaução
Sem destino
Insolução dissolúvel.

Medo
Tristeza
Insatisfação,
a solidão!!

Seleciona e apaga

Vida difícil essa... Pela quarta vez, creio, me é solicitado que eu encurte o texto para a opinião. Novamente, munida da tecla backspace, seleciono e apago palavras a mais, frases, e, a maior dor, parágrafos inteiros.

Releio, reviso e vejo que o meu texto definitivamente não é mais o que era no mês passado. A Pandorinha, além da sua depressão, de fato está me dando dor de cabeça.

17 de maio de 2009

Enfim, o frio...

Finalmente o inverno começou a dar os ares pelo Rio Grande do Sul. Eu o esperava com ansiedade, pois confesso que não estava mais suportando os dias quentes, agora, só alegria!
É tempo de lareira, vinhos, massas, filmes, cobertores, banhos demorados, reunir mais os amigos, corações mais quentes... tudo fica melhor, e até os dias nublados ganham um sentido diferente, as paisagens ficam mais bonitas, as pessoas...é mais fácil dormir, comer, realizar as coisas básicas para a manutenção da vida.
Essa preferência já ocasionou diversas discussões com o povo apaixonado pelo verão, mas eu me sinto muitissimo melhor no inverno, no sentido mais amplo da palavra. Está certo que o verão também tem lá os seus atrativos, mas o frio...aaah o frio! Muito mais aconchegante!

14 de maio de 2009

Que venha 2010...

Os jornalistas amam notícias. É natural que seja assim para os que se dedicam ao trabalho de escavar a vida privada e torná-la pública. Mas o ano de 2009 está se superando, pelo menos até o final deste primeiro semestre. Ao relembrar os seis primeiros meses aqui no Centro Serra e também no Brasil, temos tragédias de todo quilate. Para abrir o ano novo, a maior tempestade com queda de granizo já registrada em Salto do Jacuí. A destruição foi tão grande que até hoje o município está em reconstrução. Na sequência a Febre Amarela, doença que matou centenas de Bugios e algumas pessoas. Paralelo a outros fatos desagradáveis, que podem ser conferidos na páginas dos N jornais do Estado, veio o acidente envolvendo o micro-ônibus da prefeitura de Sobradinho. Dez vidas foram colhidas pela imperícia de um motorista, provavelmente movido a rebite. Quando tudo parecia estar mais calmo, ou as pessoas já haviam se habituado a conviver com surtos de doenças e tragédias, veio a seca. Uma das maiores dos últimos 25 anos. Ah, esqueci da crise mundial, mas me perdoem caros amigos, pois até o presidente disse que era só “marolinha”...
Mas como a semente que hoje é plantada e depois, com o tempo, é colhida, estamos recebendo o pagamento por muitas ações. É possível citar, como exemplo, o caso do Arroio Carijinho - em Sobradinho. Todos os dias passo por ele e o vejo cada vez mais seco. Mas o lixo e o esgoto não param de tranformá-lo em depósito de sujeira. Um dia ele também dará seu recado. Aliás, já deu...
Temos ainda menos de sete meses para o final de 2009. Não custa mudar, pelo menos em tópicos, as atitudes que desrespeitam a própria vida. Um segundo basta para modificar um cenário que parecia ser imutável. E nós podemos sim mudar o mundo, basta querer! Nunca tivemos um volume tão grande pautas em tão pouco tempo. Para quem vive disso, bem bom. Para os que não aguentam mais as informações impactantes, sugiro ler Dan Brown. Por que? Esse autor conhece como poucos o real significado da expressão “entretenimento bem embasado”.
E o ano segue com a Gripe Suína - Influenza H1N1 -, as milhares de mortes no trânsito, as enchentes, os terremotos, as secas, as pestes, a política do escândalo...seja o que Deus quiser - e tomara que ele queira que 2009 passe bem rapidinho. Mesmo assim, “Vamos viver, temos muito ainda por fazer...” (Legião Urbana).

Ps: Agradecimento sincero pelas inúmeras mensagens que recebi no dia do meu aniversário. Vocês moram no meu pequeno/grande coração colegas...
Bom final de semana a todos

12 de maio de 2009

Feliz Aniversário Manú



Nada como chegar nesta data e ver tudo que passamos,o que vivemos, é muito bom saber, que os anos vãoe nossa amizade cada vez mais forte.
Parabéns e muitas felicidades a você. Desejo a ti paz,saúde e tudo de bom que a vida possa lhe dar, porque você merece Manú!

Estamos omemorando mais um ano de vida! Um ano que está se iniciando para você.
Dias que se passaram... Lembranças que ficam na nossa memória guardadas com muito carinho no coração... Amores passados... Felicidades... Saudades... Tudo... Tudo nos faz sentir bem...
Pois olhamos para trás e vemos tudo o que passamos... Tudo que superamos...Tudo nos marca... e nos faz perceber que apesar dos erros e dos acertos do passado... Aprendemos e muito com tudo que fizemos ou deixamos de fazer...


Hoje realmente é um grande dia, afinal de contas mais 365 dias se passaram na tua vida e com eles vieram novos sonhos,novas conquistas e também novos projetos de vida. Estou muito feliz por conhecer essa pessoa amiga e querida que você é!!!

Que você caminhe sempre em busca do sucesso, alcançando um futuro amplo, se aperfeiçoando e prosperando ainda mais.

FELIZ ANIVERSÁRIO!

11 de maio de 2009

Jornalismo de Revista


Pessoal.... estou passando para dizer que está sendo e espero que continue uma maravilha trabalhar com todos.
Foi iper, mega, ultra engraçado hoje... mas valeu e pena!
Ótima semana para todos!
Abraços.

Descontração

Depois de algumas aulas "tensas", normal para jornalistas que precisam pautas inusitadas, hoje podemos respirar aliviados. Corremos atrás e cada um deu o melhor de si. Muitos tiveram que pedir uma folga aos "chefes", ou chegar mais tarde na empresa, outros dedicaram as horas de descanso e assim vai...mas o que importa é enxergar o resultado final. Quando olhei o blog na sexta-feira fiquei feliz, pois vi parte do nosso trabalho ali. Agora ainda precisamos revisar, mas isso é "café pequeno". Quanto a sessão de fotos para o expediente, foi muito engraçado e divertido, Valeu turma!!!!Abraços e uma ótima semana a todos.

Não...

Não somos bananas mas estamos de pijamas...
Aguarde...vem aí a Exceção 2009
Estamos na revisão, aparando as arestas!

Logo logo uma exceção novinha em folha para vocês!!!!!!!!!!!!!

10 de maio de 2009

Terceiras pessoas

Em congruência ao post da Ana, também gosto de escrever em primeira pessoa. Não há nada que impeça um jornalista de se expressar desta forma, ainda mais em uma crônica - opinativo puro - aliás, poderia dizer que esse tipo de texto jornalístico é quase o único que aceita tal formato. Mas antes de digitar, é preciso que se saiba muito bem o caminho a ser trilhado. O que quero dizer com isso? Que nem sempre as pessoas compreenderão o nosso objetivo, mas a escrita pura e simples -preceitos básicos da profissão - sempre será entendida, até mesmo pelos analfabetos funcionais. Um texto simples não quer dizer, por outro lado, que será enfadonho. Precisa ter feeling, tato, olfato, paladar...e outros sentidos desconhecidos. A crônica enquanto gênero, permite praticamente tudo, sendo híbrida - reportagem, artigo, comentário... - foi criada para que o leitor saiba o que pensamos, como agimos e, em ordem cronológica, o que se passou em determinado fato. Sendo assim, é evidente que amo crônicas jornalísticas. Já as puramente literárias...só algumas.
Ps: E a Exceção começa a mostrar sua face. Que bom! Já estou com muitos cabelos brancos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Até amanhã, e todo mundo bem "ninitooooooooooooooooooooo"...
Ursinhos carinhososssss :>)

8 de maio de 2009

Primeira pessoa

Ana, está ficando "mara" a diagramação!

Toca ficha que, logo, logo teremos a Exceção nas mãos! Coisa boa!!!

Aliás, precisei cortar minha crônica que integra o opinião... coisa mais triste isso para uma pessoa que adora escrever texto em primeira pessoa...

Aliás, a minha realização pessoal está em escrever texto em primeira pessoa. Sei que isso evidencia um egocentrismo gigantesco e que, mais uma vez terá muita gente que ficará escandalizado com a minha declaração (afinal, jornalista engata uma terceira e ai de quem escrever um 'eu' ou um 'nós').

No entanto, acredito muito na máxima que diz que "quem faz o que gosta não trabalha nenhum dia do ano". Se for por aí, eu não trabalho nenhum dia mesmo. E quando escrevo em primeira pessoa, então, eu estou de férias no Caribe!

Viva a depressão da Pandorinha!

7 de maio de 2009










mais umas páginas esboçadas....



Como prometido, aí está uma matéria!! (só em ordem inversa...hehehe)
Genteeeeeeeee.... que medoooo..... que responsabilidade....mas prometo que estou tentando diagramar de uma maneira bem legal, que não fique muito "pesado" e mantenha o padrão da edição anterior...... mas saibam que toda crítica e sugestão é bem vinda!!! conto com o "pitaco" de todos...hehehe... ah... como falei em aula, vou tentar disponibilizar as páginas em PDF aqui no blog para vcs terem uma idéia de como está ficando, ok?!

A foto da capa se aproxima..

Ai, adoro quando chega o momento das matérias ganharem espaço na página. Estou loooouca pra ver como vai ficar depois de diagramadas. Capriiiixa hein diagramadora!Capriiixa!haha
Toda turma praticamente já tem suas fotos selecionadas para entrar na nossa suuuper revista! Agora eu só quero ver nossa sessão de fotos, semana que vem, para a escolha da capa!
Será que foi uma boa idéia de foto a que tivemos em aula?Porque comecei a ficar com vergonha só de pensar!hahaha

Quero ver quem vai ter o 'modelito' mais mimoso hein!?hahaha
beijoss

Terceiro Quê?/Unisc arrasou


Escrevo para dizer que a terceira edição do projeto desenvolvido entre os alunos do curso de Jornalismo da Unisc, onde também leciono, e a moçada do Caderno Quê? - suplemento jovem do jornal Gazeta do Sul, de Santa Cruz do Sul - ficou pra lá de bacana. Isso no que diz respeito à planejamento gráfico e composição editorial, seja ela em termos de textos, imagens ou idéias.

Para quem não conhece, a idéia do projeto é a seguinte: todos os semestres, alunos do curso de jornalismo da Unisc são selecionados para realizar uma edição do Caderno Quê, veiculada com quatro ou oito páginas. Eles fazem de tudo: pauta, fotografia, diagramação etc. C

Os merecidos créditos: Amanda Mendonça (fotografia, ilustração e diagramação), Ana Cláudia Schuh (reportagem), Ana Luiz Rabuske (reportagem), Daniele Rubim (reportagem) Heloísa Pool (reportagem), Lívia Luz (reportagem), Luana Backes (reportagem) e Lucas Adolfo Baumhardt (reportagem). O processo, na redação da Gazeta, foi conduzido pelos titulares do Quê?, a saber: Jansle Appel Júnior, Guilherme Mazuí, Gelson Pereira e Carol Scortegagna. Da parte da Unisc, coordenou este que vos comenta.

Parabéns a todos os envolvidos, pois.

Trabalho em equipe

Olá pessoal.
Estou postando um vídeo que retrata o trabalho em equipe. Acredito que sem esse espírito não conseguimos chegar muito longe. Por isso sou adepta a trabalhar em equipe, penso sempre que as coisas fluem mais, saem idéias extraordinárias, além do convívio harmonioso que criamos. Porém para que uma equipe flua, é necessário uma liderança/um líder que transmita entusiasmo, que exige, que vibra junto e que faz a engrenagem andar. Assim todos nós chegaremos no resultado esperado.
Espero que vocês gostem da mensagem.
Um abraço a todos.
video

6 de maio de 2009

Estouro

Concordo com você Rozana, mas é muito fácil darmos um puxão de orelha sem sabermos como é a vida fora da Unisc de nossos colegas. Ás vezes estamos tão preocupados com algo que acabamos "esquecendo" de nossas outras funções. Eu, por exemplo, ando tão preocupada com a questão da foto da minha matéria que acabei "esquecendo" de outras fatores que deveria ter feito também. Claro que, é válido chamar atenção... o ser humano é um ser difícil de lhe dar e ás vezes algumas palavras fazem um enorme "estouro" nos sentimento.

É a minha visão, minha opinião. Nada mais que isso.

Abraços!

PiJaMaSsS

Elelelelele..... próxima aula todos de pijama...... hihihihihihi......

Boa semana colegas!!

5 de maio de 2009

Puxão de orelha - de leve

Não, não morri ainda... Não foi dessa vez que passei dessa pra uma melhor. Mas olha... garanto que estava quase me despedindo desse mundo ontem! hahaha. Mas como não morri, volto aos trabalhos. Dessa vez, é pra dar um puxão de orelha na txurma (mas de leve, porque a pitbull não sou eu).
Há semanas eu, a Manu e o Thiago estamos recebendo textos, pedindo alterações, lembrando tamanhos, etc... Mas ainda agora, na reta final da Exceção, parece que tem gente bem desligada da revista.
No início do semestre ficou acertado que no prazo estipulado todos entregariam as matérias com títulos, linhas de apoio, fotos e legendas. Claro que há exceções. Alguns mandaram tudo certinho. Mas a grande maioria parece que não ouviu essa parte da aula.
Nem sei quantas matérias recebi com títulos grandes demais, linhas de apoio fora do tamanho estipulado.. Isso sem falar das fotos. Até agora tem matérias que estão sem fotos e/ou ilustrações. Legenda então, nem pensar.. Acho que foram só duas pessoas que entregaram as matérias completas, com tudo nos tamanhos certos, enfim, como a gente havia pedido.
Poxa gente.. o que que é isso? Nossa turma não tem nenhum bixo recém aprovado no vestibular. Todo mundo já passou por disciplinas de texto e sabe minimamente como funcionam as coisas em uma redação e o que tem que ter em uma matéria! Se cada um fizesse a sua parte, a revista já poderia estar quase pronta.
Desculpem a linguagem ríspida, mas esse post é quase um desabafo. Vamos cada um fazer a sua parte, porque a produção da revista depende de todos. Pra quem ainda não conseguiu resolver as fotos, tem a produção. É só entrar em contato com o Wesley e a Aline que eles combinam com alguém pra tirar as fotos ou contatam alguém que faz ilustrações. Todos precisam se mexer pra essa revista ficar pronta. Afinal, não queremos ela chegando na Unisc só nas férias, né?



Um aula diferente

Olá galera.
Foi uma aula descontraida, um "ar" de alivio, afinal nossas reportagens estão prontas. Claro alguns ajustes aqui, outros alí, mas a revista se moldando.
Mas preciso contar, quando cheguei em casa, meus filhos ficaram estarrecidos, porque começei a rir e não parei mais...e eles não estavam entendendo nada...falei então que na próxima aula iria de pijama...a Thaiza me olhou com aqueles olhos pretos arregalados e disse: de Pijama???O que é isso mãe, tá ficando louca? Calma, eu disse, é apenas um ensaio para uma foto. Mas ela ficou me olhando...sabe que no final começou a rir comigo e achou legal a idéia.
É isso aí, que tenhamos uma semana cheia de aprendizados. Um abração a todos. E até +.

4 de maio de 2009

Drogas, excitação...enfim exceção

Enfim...
A revista ta se moldando, se encaminhando.
Em um dia atípico, a galera se mostrou empolgada (até demais)! Devem ser por causa dos hormônios femininos que predominam dentro da sala de aula.
Começamos as "brigas" por definição do local das matérias dentro da revista, uma espiadinha na diagramação iniciada e a tentativa de expor as idéias ainda pendentes.
Por falar nisso, alguém precisa segurar a nossa sub-editora Manu, a mulher me sai com cada uma...
e no meio disso tudo um professor que tenta falar... e pede encarecidamente que os alunos não usem drogas ilícitas antes de comparecerem a aula...rsrsrs

Na próxima semana resolvemos o nosso expediente!
Colegas portanto não faltem!!!

Abraços e até o próximo post...
Acessem também http://alineloucatempestade.blogspot.com/ e saibam um pouquinho mais de mim

Boneco Exceção 2009

Pessoal, segue abaixo relação extra-oficial das matérias e sua disposição na revista:

Opinião (2 páginas) - Ana/Gabi/Rozana
1. Os búfalos - Ana
2. Alucinações do crack - Rozana
3. Vida do contador - Letícia
4. Ouvidos para ver - Aline
5. O pescador - Wesley
6. Memórias do congo belga - Pedro
7. Loucos por bocha - Thiago
8. Meu bicho é um cabrito - Vanessa
9. A vida dos chapas - Marinês
10. Segregação nos cemitérios - Fernanda
11. Vendedor de sonhos - Urgel
12. Festa de surdo - Patrícia
13. Quatrilho - Manu
Opinião (+2 páginas) - Ana/Gabi/Rozana

Galera, aproveito para convocar todos que fizeram (e estão fazendo) parte da Revista Exceção para na próxima segunda-feira, dia 11, comparecerem ao estúdio de foto. Lá será tirada a foto oficial do expediente da Exceção.
Serão tiradas duas fotos: uma com um uniforme de futebol (já providenciado) e outra com pijamas. Por isso, solicitamos que todos tragam seus pijamas...

Um abraço e até lá. Mãos à obra!!!

In Design

Oi pessoal...

como estávamos em dúvida na semana passada se iríamos manter a diagramação no ID CS3 (versão utilizada na edição anterior), resolvemos optar pelo ID CS2, pois é possível que o trabalho de diagramação seja realizado também na Unisc... por este motivo, gostaria de ver se algum colega possui uma cópia deste programa para me emprestar pra que eu instale em casa e consiga adiantar nosso trabalho, pois não consegui baixar da internet... por enquanto estou fazendo no CS3 que já possuo... Hj à noite já levarei o esboço de algumas páginas em PDF para avaliação e sugestões...

conto com a ajuda de vcs!! Abraços

3 de maio de 2009

Uma semana de realização

Interessante as reportagens da ZH que Thiago postou para nós. Valeu colega!
Gostaria de compartilhar com vocês alguns momentos de satisfação durante a semana que passou. Primeiro: consegui finalizar a reportagem para a Exceção. Com a ajuda das eficientes colegas Rozana e Manu, que fizeram apontamentos "preciosos" e com a ajuda incansável do professor, conseguimos. Essa disciplina vai marcar a minha vida. Aprendi que precisamos dar o melhor de nós e que não somos nada sozinhos. Me sinto feliz e realizada. A segunda noticia é que meu amado filho Roberto (Betinho) que faz faculdade na UFPEL (Licenciatura em música e regência), pela terceira vez conseguiu passar na seleção de monitoria na universidade para dar aulas a candidatos ao próximo vestibular. Para mim esse espaço é uma oportunidade para que possamos nos falar, As vezes nos lamentar, outras elogiar, outras para compartilhar informações e algumas para compartilhar alegrias. Nos encontramos na aula. Abraço a todos e bom inicio de semana.

2 de maio de 2009

Gente, ainda sobre as comemoração pelos 45 anos de Zero Hora, foi lançado o livro “45 Reportagens que Fizeram História”. Custa só R$ 24,90 para assinantes do jornal.

E o pessoal de ZH aproveitou o ensejo pra fazer da reportagem o tema do caderno Cultura deste sábado. De quebra, entrevistas com Fernando Moraes e Jon Lee Anderson, dois medalões da reportagens e das biografias - Moraes escrever a do Chatô e Lee Anderson e do Che Guevara.

Aqui,aqui e aqui, os links,caso alguém não tenha acesso ao jornal.